RPGCon 2011: Eu fui!

A terceira edição da RPGcon, evento que surgiu para preencher o vazio deixado pelo Encontro Internacional de RPG, ocorreu no último fim-de-semana, dias 09 e 10 de julho, no Colégio Santa Amália em São Paulo, capital.

Nas duas primeiras edições, realizadas no Colégio Notre Dame, pude ir em apenas em um dos dois dia do evento, e sempre com uma van fretada. Já nesse ano pude comparecer em ambos os dias de evento e ajudou muito a “nova casa” ser praticamente colada com a estação Saúde do metrô!

Eu e minha esposa nos hospedamos no hotel Estação Paraíso, pela facilidade do acesso ao metrô. Logo na manhã do sábado, uma grata surpresa: enquanto tomávamos o café da manhã eis que aparece no refeitório ninguém mais, ninguém menos que Tio Nitro, um dos rockstars do RPG Nacional! Acompanhado de sua esposa, ambos extremamente amistosos e simpáticos. Conversamos durante o café e fomos todos juntos para o evento…

Logo na chegada, novidades: a Feira do RPG Independente ganhou um espaço de destaque, ficando no pátio de entrada e contando com grandes nomes do RPG Nacional. Lá estavam a Secular Games, com a segunda edição de seu fanzine Mamute e com o Busca Final. A Retropunk, responsável por Rastro de Chtulhu e 3:16, estava com seu mais novo lançamento: Fiasco. A RedBox, com a edição revisada do Old Dragon e conjuntos de miniatura de encher os olhos de qualquer RPGista das antigas. A Coisinha Verde com o Mighty Blade. O pessoal do Tagmar II, promovendo o primogênito do RPG Nacional. O Leonardo Andrade com seu mais novo livro “Terras de Shiang“. O pessoal da SpellRPG com seu cenário para D&D 4e, Ohmtar. O RPG compacto Zip e o sistema Kalahad fechavam os stands.

Coisinha Verde
Retropunk
Secular Games
RedBox
Zip
Kalahad
Tagmar II

Terras de Shiang

Vale, com certeza, um agradecimento a todo esse pessoal! Conversei com todos eles e, sem exeção, foram todos muito gente boa! Desejo sucesso a todos! Batalhando sempre para o RPG nacional crescer.

Durante os dois dias de evento rolaram várias palestras no auditório principal e no mini-auditório (que nada mais era que uma sala de aula comum) os temas foram os mais variados: piratas, zumbis, alienígenas, bate-papo com o pessoal da FRI e com autores nacionais. Uma daquelas situações que você fica chateado porque o horário de duas palestras interessantes é o mesmo e você vai ter que escolher uma delas.

Jota, Leandro e Juliano - Leandro é o autor da Triologia "Legado Goldshine" e deu uma palestra sobre sua obra no sábado.


Outra novidade desse ano foi a BoardGameCon (BGCon) que ocorreu em paralelo a RPGCon. Em duas salas você podia escolher dentre várias opções de jogos de tabuleiros e jogar uma partida com os amigos! Houveram palestras sobre a área e sobre o desenvolvimento de jogos de tabuleiro. Uma ótima iniciativa dos organizadores!

Pessoal se divertindo na BGCon

Algumas das opções de jogos disponíveis


O tradicional leilão de jogos usados estava presente e, tradicionalmente, era a maior fila do evento! Só fui visitá-lo no domingo mas, infelizmente, não achei nada interessante por um preço camarada.

Falando em filas, a praça de alimentação dividiu espaço com a feira de artigos medievais e, diferente de outros anos, não vi nenhuma grande fila lá. Só atrapalhou um pouco ela não ficar em uma área coberta… o sol castigou um pouco o pessoal.

Praça de Alimentação/Feira Medieval


Mas como nem tudo são rosas o evento teve sua parcela de problemas. A programação demorou para sair, sendo fechadada pouco antes do dia do evento. Lá mesmo haviam cópias coladas em diversos pontos mas não vi ninguém distribuindo a versão impressa para o público.

As organização das mesas de jogo estava um pouco deficiente também. Senti falta do tradicional painel com os números das mesas afixados, listando as aventuras. Os Staffs do evento tinham que ficar procurando em uma lista com várias páginas, o que demorava um certo tempo.

Mesas de Jogo


No ano passado também haviam mais atividades, o que gerou uma reclamação por parte de algumas pessoas. Bom, sou da opinião que sempre é melhor pecar pelo excesso que pela falta. Ano que vem espero que, em minha resenha, reclame que tinha tantas coisas para fazer que não sabia nem por onde começar!

Ao final do último dia do evento foi realizada no auditório principal a “Mesa de Vidro” onde os organizadores do evento se dispõe a ouvir e responder a tudo que o público gostou, ou não, no evento. Transparência sempre é bem vinda! Eu mesmo falei da falta de um guarda-volumes, sempre útil pra guardar as malas no dia de ir embora, e das duas uma: Ou o Douglas (D3) é um ator digno de Oscar ou ele realmente esqueceu de montar o guarda-volumes esse ano! :) Para reparar a gafe ele prometeu montar o do ano que vem sem custos!

Mesa de Vidro - Transparência por parte da organização!


Fazendo um balanço final o evento desse ano foi bom, mas poderia ser bem melhor. Acho que sempre pode, afinal tudo é um eterno aprendizado! O importante é não desanimar!

Minha presença no ano que vem está mais do que garantida! Temos de prestigiar o esforço do pessoal da RPGCon em manter vivo o nosso tão querido hobbie. E se a gente não for lá, não apontar os acertos e os defeitos, como o pessoal vai melhorar?

Cobrar resultados é fácil, reclamar que não gostou é fácil também. Mas você ajudou em alguma coisa? Colaborou em algo para que o evento fosse melhor? Não estar perto fisicamente não é desculpa! Podemos divulgar, opinar… a internet taí pra isso!

Então ficam abertos os comentários para sugestões, elogios e reclamações! Tudo vai ser encaminhado a organização então essa é chance de ajudar a melhorar! Participe!!!

Nos vemos lá ano que vem!

4 comentários em “RPGCon 2011: Eu fui!”

Deixe uma resposta